Área do Cliente

Clique aqui e acompanhe de perto os processos que estão sendo gerenciados pelo Diamantino Advogados Associados.

Caso ainda não tenha sua senha, fale conosco.

 

Os juros compensatórios na desapropriação
Rubens Antonangelo Junior
04.09.2019

Em desapropriação de imóvel rural, a indenização a ser paga ao desapropriado era remunerada com juros compensatórios de 12% ao ano, que serviam para compensá-lo pela perda antecipada da posse.

No ano de 2001, por Medida Provisória, incluiu-se o artigo 15-A no Decreto-Lei 3365/41, que dispõe sobre desapropriação, limitando os juros compensatórios a até 6% ao ano, observando o grau de produtividade do imóvel, se igual a zero não tem direito, e comprovação de eventual perda econômica.

Entendendo pela inconstitucionalidade dessa modificação legislativa, o Conselho Nacional da Ordem dos Advogados do Brasil ajuizou Ação Direta de Inconstitucionalidade, ADI 2332/DF. Pediu a declaração de inconstitucionalidade do citado artigo 15-A. A liminar foi deferida  ainda no ano de 2001, determinando a suspensão dos efeitos do artigo 15-A, mantendo a incidência dos juros compensatórios de 12% ao ano independentemente da produtividade e comprovação de perda de renda.

Em maio de 2018, foi julgado o mérito da ADI 2332/DF, lhe sendo dado parcial provimento. No que concerne aos juros compensatórios, declarou a constitucionalidade do artigo 15-A, ou seja, limitou os juros compensatórios a 6% ao ano, mediante comprovação de perda de renda e índice de produtividade do imóvel.

Como decorrência deste julgamento, o INCRA passou a peticionar em todos os processos de desapropriação, inclusive naqueles já em fase de execução, para que fosse adequada a aplicação dos juros compensatórios ao que ficou decidido na referida ADI 2332/DF.

Outra consequência do que ficou decidido na referida ação é que o Superior Tribunal de Justiça já iniciou procedimentos de revisão do julgado em recursos repetitivos que tratam dos juros compensatórios, para adequá-los ao decidido na ADI 2332/DF, tendo determinado a suspensão dos processos ainda não julgados em que haja debate sobre a referida parcela.

Além disso, abre-se oportunidade para o INCRA ajuizar ações rescisórias visando a adequação de julgados já transitados em julgado ao que ficou decidido na ADI 2332/DF, podendo resultar em pedido de restituição de valores recebidos pelos proprietários.


Índice de notícias :: Agrário

Os juros compensatórios na desapropriação
04.09.2019

AgroExport processa Trouw por suposta ração envenenada
31.08.2019

Juros compensatórios em 6% não são admitidos em fase de execução, diz juiz
23.07.2019

Bolsonaro propõe que proprietários rurais não sejam punidos por atirar contra invasores
30.04.2019

Primeiras Obrigações do Agronegócio 2019
08.01.2019

‘O pulso firme do Estado e a força da lei deveriam ter prevalecido’
29.05.2018

Especialistas e associações discutem efeitos de decisão do STF sobre o Funrural
26.05.2018

STF vai julgar embargos de declaração do Funrural
17.05.2018

Projeto da Câmara exclui etapa judicial de processo de reintegração de posse
18.03.2018

Os avanços da regularização fundiária
04.12.2017


Mostrando 1 - 10 de 71
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8

 

© Copyright 2002-2015. Diamantino Advogados Associados. Todos os direitos reservados.

Criação de sites