Área do Cliente

Clique aqui e acompanhe de perto os processos que estão sendo gerenciados pelo Diamantino Advogados Associados.

Caso ainda não tenha sua senha, fale conosco.

 

Repatriamento de capitais pode gerar empregos e aquecer a economia
Guilherme Champs Borges
30.06.2015

No inferno os lugares mais quentes são reservados àqueles que escolheram a neutralidade em tempos de crise. São com essas palavras que Dante Alighierii, há mais de meio século, se faz tão moderno e presente. E neste contexto, recentemente, o ministro Joaquim Levy resolveu adotar o papel de protagonista da República. Ao assumir sua pasta no governo federal, partiu para a ofensiva quando o assunto é a possibilidade de gerar receitas ao caixa do governo.

Em junho, reuniu-se em Brasília com um grupo de senadores governistas para debater novas formas de bancar a conta pública que, como todos sabem, reluta em fechar. Daí, então, ressurgiu antiga discussão acerca das vantagens ao erário se aprovada uma lei que incentivasse brasileiros a repatriar dinheiro que hoje é “contabilizado” como evasão fiscal. Segundo estimativa do governo, o potencial valor de repatriamento remonta à casa de U$ 100 bilhões, dos quais, pela proposta inicial, aproximadamente 20% a 30 % ficariam, a titulo de anistia fiscal, nos cofres do governo.

Até este ponto todos sairiam satisfeitos. De um lado o governo colocando volumoso capital perdido no bolso que, quiçá, poderá ser até maior que grande parte do ajuste fiscal definido para o ano de 2015, e de outro o contribuinte que repatriaria seu dinheiro ficando quites com o leão e, sobretudo, livre de qualquer sanção penal.

No entanto, o ponto chave certamente não é o âmbito tributário, mas o penal. A  sociedade e o congresso – este último de certa forma moralista – propagam suas aversões a este tipo de mecanismo, sempre sob o argumento de que os potenciais beneficiários seriam as grandes facções criminosas, as quais lavaram seu dinheiro no exterior e lograriam êxito ao recebê-lo branqueado.

Como se vê, o tema realmente é controvertido e polêmico. No entanto, deixados os interesses particulares de lado, é hora de se pensar concretamente nos benefícios desta lei em prol da coletividade que, hoje, sem dúvida, é a maior prejudicada com este capital fora de circulação no país, os quais certamente gerariam empregos, aqueceriam a economia, minimizariam os efeitos da defasagem no caixa federal e, sobretudo, do indigesto ajuste fiscal.

Importante ressaltar que, tirando o aspecto jurídico que cerca o crime de evasão – especialmente a parte final do parágrafo único do artigo 22 da Lei nº 7492/86, por meio da qual a jurisprudência entende que a manutenção de conta não declarada no exterior, em valores incompatíveis com a normativa editada pelo BACEN, é hipótese de crime permanente, ou seja, não passível de prescrição até sua cessação – é certo que grande parte deste capital, se descoberto por via distinta, seguramente não implicará em considerável sanção penal ao suposto criminoso, pois suas condutas, ou parte delas, estarão revestidas pelo manto da prescrição.

Portanto, são inúmeros aspectos, que, salvo melhor opinião, poderiam ser objeto de estudo e reflexão, convergindo para a modulação dos efeitos de uma lei que viesse de encontro aos anseios da sociedade e do bem comum, cujos debates deverão residir no plano prático, objetivo e profissional, sem margem à presença de discurso boquirroto ou moralista, pois desta forma todos saem perdendo – indistintamente.


Índice de notícias :: Tributário

Dedução de IR para empregador doméstico até 2024 será votada hoje
11.06.2019

STF julgará se é constitucional a trava de 30% para aproveitamento dos prejuízos fiscais
21.05.2019

Uma nova Inconfidência Mineira
24.04.2019

Tributação e medo de desvio de recursos freiam doações
23.04.2019

Fim da Lei Kandir pode ser inconstitucional, diz advogado
29.03.2019

Censo BCB 2019: o prazo de entrega se aproxima
21.03.2019

Saiba como não errar na declaração do IR e, assim, evitar a malha fina
11.02.2019

Carf nega tributação de prejuízo fiscal utilizado em refinanciamento
30.01.2019

2018: o ano que não terminou para a questão do Funrural
10.01.2019

Análise: Saiba tudo sobre Funrural, Caepf e livro-caixa digital
10.01.2019


Mostrando 1 - 10 de 184
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10

 

© Copyright 2002-2015. Diamantino Advogados Associados. Todos os direitos reservados.

Criação de sites