Área do Cliente

Clique aqui e acompanhe de perto os processos que estão sendo gerenciados pelo Diamantino Advogados Associados.

Caso ainda não tenha sua senha, fale conosco.

 

Averbação pré-executória de bens deve ser questionada
Carlos Eduardo Plá
03.04.2018

A averbação pré-executória de bens dos contribuintes é inovação legal trazida pelo art. 25, da Lei nº 13.606/2018, que modificou os artigos 20 – B, 20 – C e 20 – E, da Lei nº 10.522/2002 (que dispõe sobre o cadastro informativo dos créditos não quitados de órgãos e entidades federais). Dentre outras disposições atinentes a inscrição em dívida ativa, trouxe  possibilidade de averbação de Certidão de Dívida Ativa Federal por meio eletrônico, nos órgãos de registro, de bens e direitos dos contribuintes, tornando-os indisponíveis.

Em outras palavras, referida alteração legal instituiu um novo procedimento, por meio do qual a PGFN foi autorizada a fazer o bloqueio de bens de devedores inscritos na Dívida Ativa da União sem a necessidade de ordem ou autorização do Poder Judiciário.

Com isso, o Legislativo atendeu a um antigo pleito do Poder Executivo, que sempre justificou a necessidade da medida como forma de atribuir maior celeridade e efetividade às cobranças de tributos federais, bem como para evitar o eventual esvaziamento patrimonial por parte dos contribuintes, como forma de frustrar a cobrança de tributos federais.

Embora a cobrança de débitos tributários já possua rito próprio para a sua cobrança, qual seja a Lei nº 6.830/80, e a alienação de bens por contribuinte que possua débitos tributários previamente inscritos em dívida ativa já constituísse fraude, por conta do artigo 185, do Código Tributário Nacional, com o advento das modificações trazidas pelo art. 25, da Lei nº 13.606/2018, o contribuinte também passará a ter de constituir garantia antes mesmo de ajuizada a execução fiscal sob o risco de penhora administrativa sobre seus bens.

Ademais, como se não bastasse a instituição da medida legal de constitucionalidade duvidosa, em ordem de regrar os procedimentos para a penhora de bens na esfera administrativa, a PGFN publicou a Portaria de nº 33, de 8 de fevereiro de 2018, por meio da qual estabeleceu inúmeros outros procedimentos, além daqueles previstos na referida lei.

Além de tratar da hipótese de averbação pré-executória, a Portaria de nº 33 também estabeleceu diversos procedimentos relativos ao controle de legalidade da inscrição de créditos da União, procedimentos relativos “Pedido de Revisão” de CDA e o ajuizamento seletivo de execuções fiscais, segundo critérios de valor ou existência e suficiência de bens para saldar a dívida.

São tantos os novos procedimentos que foram inaugurados pela Portaria PGFN nº 33/2018 que já é possível dizer que há uma nova etapa no contencioso tributário, intermediária, entre a fase administrativa e judicial.

Todavia, referidas inovações implicam em inúmeras ilegalidades e inconstitucionalidades, uma vez que permitem a União, credora do débito inscrito em dívida ativa, promover o seu lançamento e cobrança por meio de medidas coercitivas que afetam diretamente o patrimônio do contribuinte. Isto sem a imprescindível participação equidistante e imparcial do Judiciário.

Por estas razões, a referida lei é objeto de três Ações Diretas de Inconstitucionalidade ajuizadas por um partido político e instituições representativas de contribuintes com abrangência nacional (nºs. 5.881, 5.886 e 5.890), todas distribuídas junto ao Supremo Tribunal Federal para relatoria do ministro Marco Aurélio de Melo, que em análise preliminar indeferiu as liminares que pretendiam a suspensão da aplicação do art. 25, da Lei nº 13.606/2018, sob a justificativa de não vislumbrar urgência da medida.

Não obstante as referidas ações tratem apenas das disposições contidas na lei, seu deslinde, caso favorável à tese esposada pelos contribuintes, certamente implicará em alterações significativas aos regramentos trazidos pela Portaria PGFN nº 33/2018, sobre a averbação pré-executória de bens.

Neste cenário, considerando que as disposições contidas na Portaria PGFN nº 33/2018 passarão a vigorar em meados de julho deste ano (120 dias da publicação) e que dificilmente o Supremo Tribunal Federal enfrentará a inconstitucionalidade das alterações promovidas pelo art. 25, da Lei nº 13.606/2018 antes do referido prazo, os contribuintes certamente deverão contar com o novo procedimento de “averbação pré-executória” nas futuras execuções fiscais.


Índice de notícias :: Tributário

Força-tarefa da Receita Federal investiga envolvidos na "lava jato"
18.02.2015

Prazo para Entrega de Declaração de Capitais de Brasileiros no Exterior
13.02.2015

ADI 5151: STF concede medida cautelar suspendendo benefício fiscal de Minas Gerais
05.01.2015

Insegurança nos parcelamentos fiscais
13.11.2014

Regras sobre certidões de dívida ativa da União são alteradas
27.10.2014

STF nega recurso de SP e pede "ponto final em ciclo vicioso" de precatórios
27.09.2014

STF nega recurso de SP e pede 'ponto final em ciclo vicioso' de precatórios
25.09.2014

Novas exigências do Fisco para Sociedades em Conta de Participação ferem a lei
23.09.2014

Problemas com a cobrança do ITR
15.09.2014

Cláusula fascista à moda tupiniquim
05.09.2014


Mostrando 71 - 80 de 151
4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13

 

© Copyright 2002-2015. Diamantino Advogados Associados. Todos os direitos reservados.

Criação de sites