Área do Cliente

Clique aqui e acompanhe de perto os processos que estão sendo gerenciados pelo Diamantino Advogados Associados.

Caso ainda não tenha sua senha, fale conosco.

 
CARF considera que a ativação do prejuízo fiscal não pode ser tributada quando feita no âmbito do REFIS
Bruno Minoru Takii
21.11.2018

O Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) entendeu pela não tributação das receitas decorrentes da ativação do prejuízo fiscal e da base negativa da CSLL para fins de liquidação de multas e juros no âmbito do Refis. O caso abriu precedente na 4ª Câmara da 1ª Turma do Carf.

Nos casos anteriormente julgados por outras Câmaras do Carf como, por exemplo nos Acórdãos 1302-002.380 e 1201-001.642, a linha argumentativa favorável ao contribuinte era a de que o prejuízo fiscal se tratava de um direito pré-existente à ativação contábil e, que, por não representar “riqueza nova” ou “acréscimo patrimonial”, não poderia ser objeto de tributação.

Na decisão proferida na sessão de 17 de outubro (Processo nº 10314.728567/2014-78), a linha argumentativa acolhida pelo colegiado foi a de que, ainda que se viesse a admitir que a ativação do prejuízo fiscal resultaria em uma “riqueza nova”, a permanência dessas receitas na base de cálculo do lucro real não poderia ocorrer. Isso porque o artigo 4º, parágrafo único, da Lei nº 11.941/2009, dá margem à interpretação de que os reflexos decorrentes da redução (inclusive total) dos valores das multas, juros e encargos, dentro do âmbito do Refis, não poderiam ser objeto de tributação.

O relator do caso, Luiz Augusto de Souza Gonçalves, destacou que a matéria da ativação do prejuízo fiscal ainda não havia sido apreciada pela 4ª Câmara da 1ª Turma do Carf.

De acordo com os advogados Eduardo Diamantino e Bruno Takii, do Diamantino Advogados, que representaram a empresa, a recepção dessa nova tese impõe forte barreira à linha que vem sendo adotada pela PGFN. Isso porque a PGFN possui tese ancorada em precedente não vinculante do STF, no sentido de que o prejuízo fiscal teria a natureza de benefício fiscal e não de direito adquirido.

Com o provimento do recurso, foi admitida a exclusão de receitas do âmbito de tributação do IRPJ, CSLL, PIS/PASEP e COFINS, no valor aproximado de R$ 34 milhões.


Índice de artigos :: TODOS ARTIGOS

PRECATÓRIOS: AINDA PODE SER PIOR?
01.12.2010

PRECATÓRIOS: AINDA PODE SER PIOR?
01.12.2010

PROCEDIMENTO DE VISTORIA DO INCRA EM PROPRIEDADE RURAL INVADIDA
01.12.2010

PROJETO DE CÓDIGO FLORESTAL É VOTADO PELA COMISSÃO ESPECIAL
01.12.2010

REVISÃO DO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO DE PIS E COFINS À LUZ DO ARTIGO 22 DA MP 497/2010
01.12.2010

STJ DEFINE DEBATE ACERCA DA LEGISLAÇÃO SOBRE A COMPENSAÇÃO
01.12.2010

SÚMULA DO STJ AFASTA OBRIGATORIEDADE DA PENHORA DE DINHEIRO EM AÇÕES DE EXECUÇÃO – EXTENSÃO DOS EFEITOS À EXECUÇÃO FISCAL
01.12.2010

TRIBUNAL ADMINISTRATIVO SE POSICIONA PELA INCIDÊNCIA DA TAXA SELIC SOBRE A MULTA DE OFÍCIO
01.12.2010

TRIBUTAR OS RICOS BENEFICIA OS POBRES?
01.12.2010

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA NA NOVA LEI DE FALÊNCIA
15.12.2009

A INCONSTITUCIONALIDADE NO PROCESSO DE EXCLUSÃO DO REFIS
15.12.2009

A NOVA LEI DO MANDADO DE SEGURANÇA E SUAS DIRETRIZES
15.12.2009

A PENHORA DE MÃO PRÓPRIA E SUA EQUIPARAÇÃO AO DEPÓSITO EM DINHEIRO. O INTERESSE DOS CREDORES EM DEBATE
15.12.2009

A POLÊMICA SUSPENSÃO DAS AÇÕES CONTRA O SÓCIO NA RECUPERAÇÃO JUDICIAL
15.12.2009

Algumas consideracoes sobre o Agronegocio Brasileiro
15.12.2009


Mostrando 91 - 105 de 152
2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11

 

© Copyright 2002-2015. Diamantino Advogados Associados. Todos os direitos reservados.

Criação de sites